sexta-feira, 25 de março de 2011

Exposição MappaMundi no Museu Berardo


4. Sonhar
Um motor do imaginário e do sonho
Os artistas apresentados nesta secção pedem-nos que abandonemos os nossos hábitos, que esqueçamos a legenda do mapa para entrarmos melhor no mundo dos contos e das lendas. É preciso deixarmo-nos perder no oceano inquietante ou nos cumes improváveis, reencontrar um olhar sobre mapas que não estão nem no imperativo nem no indicativo, mas que têm um valor condicional,como as crianças que começam as suas brincadeiras por «Agora eu era...».

Jardins de Belém - um pouco de História

Personalidades da época na Exposição

   Os jardins de Belém foram construídos por altura da Grande Exposição do Mundo Português em 1940, durante o Estado Novo. 
   A exposição foi inaugurada em 23/Junho/1940 pelo Chefe de Estado, Marechal Carmona acompanhado pelo Presidente do Conselho, Oliveira Salazar e pelo Ministro das Obras Públicas, Duarte Pacheco.



      A Exposição do Mundo Português decorreu de 23/Junho a 2/Dezembro/1940, integrada nas "Comemorações Centenárias" ou do "Duplo Centenário", um conjunto de manifestações de natureza vária, destinadas a comemorar os centenários da Fundação de Portugal e a Restauração.
   Implantada na zona ribeirinha, ocupando 450 mil m2 na Barra do Restelo, em Belém, tinha como objectivo constituir uma síntese da civilização portuguesa e da sua projecção universal. A Exposição incluía pavilhões temáticos relacionados com a História de Portugal, as suas actividades económicas, cultura, regiões e territórios ultramarinos. Incluía ainda um pavilhão do Brasil, único país estrangeiro convidado.
    O evento levou a uma completa renovação urbana da zona ocidental de Lisboa. A sua praça central deu origem à Praça do Império, uma das maiores da Europa, elevou também à construção de outras infraestruturas de apoio, como o Aeroporto da Portela. Actualmente destacam-se os amplos relvados à beira do Tejo, bem como alguns monumentos como o construído em homenagem a Gago Coutinho e Sacadura Cabral, em forma de hidroavião.


Mapa da Exposição do Mundo Português

Exposição MappaMundi no Museu Berardo


2. Corporizar
Corpos, sensações e matérias
É tempo de revalorizar a natureza sensível dos mapas, a sua materialidade, até mesmo a sua sensualidade. Esta secção mostra o trabalho de muitos artistas no sentido de restituírem aos mapas esse poder sensual. Alguns trabalham com objectos carregados de sentidos, como colchões ou lençóis, outros obrigam os corpos a aproximarem-se ou a sentarem-se juntos, outros realçam a importância dos vestígios deixados pelos dedos indicadores ao marcarem o «eu estou aqui».

Exposição MappaMundi no Museu Berardo


3. Contestar
Um instrumento de contrapoder e de combate
Os mapas tornaram-se tardiamente instrumentos de contrapoder ao serviço de opositores e de dominados. Ao dar a ver o invisível, ao refutar as versões oficiais, os silêncios e a censura, a cartografia torna-se contra-cartografia, radical cartography, arma para sensibilizar a opinião pública, para denunciar, para preparar a acção colectiva.

Exposição MappaMundi no Museu Berardo


1. Descodificar
Um sistema de signos concebido para ser descodificado
Foram necessários séculos para se colocar o Norte no cimo dos mapas, para se impor a noção de escala, para se escolher um meridiano de referência, para se representar a linha do Equador... Aqui, os artistas «desmancham», de alguma forma, as regras elaboradas por engenheiros, geógrafos e geómetras. Mapas-mundo decompostos, mapas que revelam palavras escondidas, leituras tipográficas ou jogos de escala: outras tantas maneiras de interrogar e deslocar estes códigos tácitos.

Visita ao Museu Berardo




Museu Colecção Berardo
O Museu Colecção Berardo, no CCB em Lisboa, exibe uma vasta colecção de obras de arte pertencentes a Joe Berardo, a par de outras exposições de elevado interesse, que são gratuitas em regime de visita livre.

É o caso da exposição da mostra Tinta nos Nervos – Exposição Banda Desenhada Portuguesa, que reúne 600 trabalhos, de 41 artistas de diferentes gerações, formações e estilos, expostas por ordem aleatória, comissariada por Pedro Vieira de Moura e que contou com a colaboração de alguns dos artistas em exibição.
A exposição aposta em autores modernos e contemporâneos, com duas excepções históricas, Rafael Bordalo Pinheiro  (o criador do Zé Povinho) e Carlos Botelho (o pintor de Lisboa por excelência e autor dos Ecos da Semana) que deram à Banda  Desenhada uma nova dimensão a nível nacional,  alargando o seu papel para além de entretém infanto-juvenil.

Outra exposição, que iremos visitar brevemente, intitula-se Mappamundi e é apresentada do seguinte modo:
"A história da cartografia moderna nasce em Lisboa, é um lugar maior em torno das grandes descobertas, da própria época dos Descobrimentos. Muitos grandes cartógrafos, do início do século XVI, são portugueses".
Para introduzir a exposição, existem dois mapas criados por portugueses: A carta do Atlântico Norte datada de 1550, criada por Lopo Homem, e que foi cedida pela Biblioteca Nacional, e a Carta do Atlântico Norte, de 1778, de José Monteiro Salazar, cedida pelo Museu Etnográfico da Sociedade de Geografia de Lisboa.
Estes dois emblemáticos mapas abrem a exposição para que "os artistas e os visitantes recordem que são os herdeiros deste passado".
"Mappamundi" inaugurou dia 31 de Janeiro e vai estar patente no Museu Colecção Berardo até 25 de Abril de 2011.
http://www.vivaagenda.com/evento/2290/MAPPA+MUNDI

Exposição MappaMundi no Museu Berardo


A exposição intitulada Mappamundi reúne artistas que, nos últimos 40 anos, trabalharam o mapa e interrogaram a representação cartográfica para melhor nos tocarem ou nos provocarem. Mapas para serem lidos ou para serem vistos? Espelho tranquilo ou distorção do mundo? Descrição, evocação, contestação? Longede exprimirem certezas, estes mapas desenham as nossas dúvidas, os nossos combates e os nossos sonhos.
As 4 partes de Mappamundi propõem um olhar diferente, sucessivamente semiológico, sensitivo, político e onírico.
No fim do percurso, uma sala documental sublinha a omnipresença da cartografia nas nossas vidas quotidianas: no 1.º mezanino pode ser visto um conjunto de vídeos e no 2.º uma instalação de Miguel Palma.

Jardins de Belém


Os jardins de Belém foram construidos por altura da Grande Exposição do Mundo Português em 1940, sob o governo de Salazar.
Destacam-se pelos seus amplos relvados à beira do Tejo, bem como alguns monumentos como o construído em homenagem a Gago Coutinho e Sacadura Cabral, em forma de hidroavião.

Centro Cultural de Belém

A construção do Centro Cultural de Belém foi decidida no início de 1988, durante o período do "cavaquismo", com o objetivo de construir de raiz um equipamento que pudesse acolher, em 1992, a presidência portuguesa da União Europeia, permanecendo posteriormente como um pólo dinamizador de atividades culturais e de lazer.
O CCB ocupa hoje uma área de 97 mil m2, distribuída por seis hectares separados por duas ruas internas e unidos pelo caminho José Saramago que cria uma continuidade com a Praça do Império, negando a tradicional separação entre o interior e o exterior.
É uma pequena cidade, com jardins, lagos, pontes, rampas, ruas, praças, cantos, onde se destaca a Praça do Museu.

MORADA
Fundação Centro Cultural de Belém
Praça do Império
1449-003 Lisboa
Portugal

Para saber mais, consulte: http://www.ccb.pt/sites/ccb/pt-PT/Pages/default.aspx

Mosteiro dos Jerónimos

Obra-prima da arquitectura portuguesa do século XVI, classificado como Monumento Nacional e inscrito na lista de Património Mundial da UNESCO, o Mosteiro dos Jerónimos situa-se numa das zonas mais qualificadas de Lisboa, um cenário histórico e monumental junto ao rio Tejo onde também marcam forte presença a Torre e o Centro Cultural de Belém.

Ligado simbolicamente aos mais importantes momentos da memória nacional, o conjunto monástico fundado pelo rei D. Manuel conserva, ainda hoje, além da igreja manuelina, grande parte das magníficas dependências conventuais que contribuíram para a sua fama internacional, incluindo o Claustro quinhentista, o antigo Refeitório dos frades e a sala da Livraria.

Para uma visita virtual ao Mosteiro dos Jerónimos clique no link:
http:www.mosteirojeronimos.pt/pt/index.php?s=white&pid=178

Alojamento e Restauração na Nazaré


Dentro do espaço urbano da Nazaré existe o hotel "MARÉ" onde propõem uma noite para duas pessoas por 45€ (domingo a sexta) e 1noite/2 pessoas ao sábado 55€.
Na Nazaré existe o restaurante a "Taberna d' Adélia onde o preço médio é de 12€ e a a especialidade é a Caldeirada à pescador.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Património Natural de Celorico da Beira

«Estavas, linda Inês, posta em sossego,
 De teus anos colhendo doce fruito,
 Naquele engano da alma, ledo e cego,
 Que a Fortuna não deixa durar muito,
 Nos saudosos campos do Mondego,
 De teus fermosos olhos nunca enxuito,
 Aos montes insinando e às ervinhas
 O nome que no peito escrito tinhas.»

 Camões, Os Lusíadas, III, 120.  
    

O Mondego é o maior rio exclusivamente português. Percorre a parte centro do país, desde a Serra da Estrela até ao Oceano Atlântico, onde desagua junto da Figueira da Foz.
Apresenta algumas semelhanças com o Vouga. Tal como ele, antes de se tornar um rio de planalto, é um rio de montanha — o chamado Mondeguinho. Enquanto jovem, corre num vale estreito e profundo, com «grandes quedas de desnível e carácter torrencial muito acentuado.»
Inicialmente, corre em direcção ao interior. Em seguida, descreve uma curva acentuada à volta de Celorico da Beira. Inverte a marcha em direcção ao litoral, no sentido NE-SW, ou seja, com uma orientação inversa e quase paralela à anterior.

As Aves do Rio Mondego - Celorico da Beira

Perdiz-comum (Alectoris rufa)                                                         Guarda-rios (Alcedatthis)   
Falcão-abelheiro
 (Pernis apivorus)
Picanço-barreteiro
 (Lanius senator)
Picanço-real
(Lanius meridionalis)
Poupa
(Upupa epops
Tartaranhão-caçador
 (Circus pygargus)
Abelharuco (Merops apiaster)


Alojamento e Restauração em Viana

Alojamento: Casa Melo Alvim
   Este solar, dos mais antigos de Viana do Castelo e propriedade da família Laranjeira, é um excelente exemplo de como bem-estar e ecologia podem estar em sintonia.
    Distinguido com o Rótulo Ecológico Europeu pela rigorosa política ambiental, implementou uma série de medidas sustentáveis.
Nos 20 quartos encontra a Carta Verde, um documento no qual os proprietários se comprometem a poupar gastos em água e energia e convidam os hóspedes a fazer o mesmo. Para saber mais:
http://www.meloalvimhouse.com/

   A Pastelaria Natário é uma das mais afamadas de Viana.
   Fundada em 1943, a pastelaria de Manuel Natário, fabrica cerca de mil exemplares de Bolas de Berlim por dia. Passe por lá e perceba por que razão o romancista Jorge Amado, não resistiu a escrever sobre elas.

Património Gastronómico no PNPG

Gastronomia da área do PNPG varia consoante as zonas.

  • Na zona de Castro Laboreiro, os pratos típicos incluem Carne de Cabrito de Castro Laboreiro, Bifes de Presunto, Presunto de Castro Laboreiro, Enchidos, Broa Centeia e Broa Milha. Há também dois doces típicos: Bucho Doce e Sopa Seca de Pão Duro. O vinho é o Alvarinho. O fumeiro tradicional de Fiães abrange todo o tipo de enchidos produzidos nesta zona. Porém, existem particularidades que o diferem do bem conhecido Fumeiro Tradicional de Castro Laboreiro.
  • Na zona da serra do Soajo/Amarela, são muitos os pratos típicos confeccionados, mas salientam-se as Papas de Sarrabulho, os Rojões, o Cozido à Portuguesa e a Lampreia. Na doçaria regional incluem-se Charutos de Ovos Moles, Rebuçados dos Arcos, e Doçaria Sortida.
  • No Barroso, os pratos típicos são o Cozido à Moda do Barroso, a Vitela Barrosã Assada na Brasa, ou Estufada no Pote, e a Truta Recheada. Também é zona de fumeiros e de pão de centeio.


» Bovinos da Raça Barrosã




O queijo típico do Parque é o Queijo da Cachena (ver "gastronomia do Soajo").
Este bovino pasta livremente na serra, aproveitando os pastos naturais e abundantes, tornando o leite puro e de características únicas. O queijo produzido é gordo, de pasta semi-mole, de cor amarelo palha natural. O tempo de cura médio é de 45 dias e deve ser consumido num prazo máximo de 60 dias após a cura. Vende-se em embalagens cilíndricas de 400g e 1kg.
Queijo de cachena

Alojamento e Restauração em Celorico

Numa aldeia que delimita o Parque Natural da Serra da Estrela, facilmente acessível através da auto-estrada, este hotel de 3 estrelas irradia um ambiente despretensioso.

Perto de uma série de aldeias históricas, incluindo Linhares e Trancoso, o Hotel Quinta dos Cedros é a base ideal para explorar a região. Relaxe após um dia longo e activo, no jardim ou desfrute de um mergulho na piscina exterior. Em dias chuvosos, pode jogar uma partida de bilhar.
Todos os 57 quartos estão confortavelmente mobilados. Mime-se graças ao serviço de quartos, para tomar uma refeição no conforto do seu quarto ou fazer um churrasco com os amigos. O restaurante serve comida tradicional portuguesa, bem como especialidades locais como o queijo de ovelha da serra da Estrela.


Em alternativa, tem o Solar das Cerveiras,  na Mesquitela, e que se enquadra na categoria de Turismo de Habitação.
Para saber mais, visite o o site http://www.solardoscerveiras.com/

Alojamento e Restauração no Soajo

Casa de Pereiró
Morada:
Soajo - Arcos de Valdevez - Viana do Castelo
Na pitoresca aldeia serrana de Soajo encontra-se localizada a casa de Pereiró. De construção tipicamente minhota e serrana, esta casa proporciona óptimas condições para quem procura desfrutar das paisagens e do património construído das regiões do Parque Nacional da Peneda Gerês.



Restaurante "O Espigueiro"
Na imperdível aldeia do Soajo podemos encontrar esta casa de bem comer onde os pratos de carne são especialmente recomendáveis. Restaurante de ambiente familiar onde a arte de bem servir é notória.
Localização: Lage - SOAJO
Contactos: 258576136 

Alojamento e Restauração

Pequena casa rústica, em madeira e pedra, recuperada para o turismo, muito confortável e prática, ideal para escapar por uns dias ao stress diário. A sua localização privilegiada, no Parque Nacional Peneda -Gerês, permite-lhe desfrutar da paisagem típica do Alto Minho interior, de grande beleza natural e casas tradicionais de grande beleza. Situada na aldeia de Lindoso, onde poderá visitar o conhecido Castelo de Lindoso, um conjunto de espigueiros típicos e a Albufeira do Alto Lindoso, uma das maiores da Península Ibérica.
Para mais informações: www.turistrevo.net
· Localização: Ponte da Barca, Viana do Castelo, Portugal
· Vizinhança: Lindoso
· Telefone: 969256815
· Preço: € 65,00

sexta-feira, 4 de março de 2011

Património Gastronómico

O feijão tarreste (feijão miúdo de pele fina em formato de rim), cultivado em Arcos de Valdevez, foi incluído na Arca do Gosto do “Slow Food”, um catálogo mundial de produtos da terra considerados “especiais”, pelo seu valor nutritivo, mas ameaçados de extinção.


Este é o terceiro produto do concelho a integrar aquela arca, com as laranjas de Ermelo e a broa de milho.


As cachenas (pronuncia-se "catchena") são uma raça de gado bovino originária da Serra da Peneda e zona contígua da Galiza que tem resistido a todos os avanços da tecnologia ao longo dos séculos. São animais muito rústicos, de porte pequeno mas muito resistentes, capazes de sobreviver em situações de grande adversidade. A raça ainda perdura graças ao esforço desenvolvido por um pequeno número de resistentes e tenazes agricultores mas corre o risco de desaparecer. Carne tenra, suculenta e de sabor único.


As nossas sugestões gastronómicas:
Carne de cachena com arroz de feijão tarrestre

     Charutos de ovos com laranja de Ermelo.

Património gastronómico da Nazaré

A gastronomia da Nazaré é caracterizada por pratos de peixe e marisco e, entre ele, destacam-se a a caldeirada à nazarena, a massa de peixe e o peixe seco. O peixe seco mais usado são os carapaus secos e enjoados.
Na doçaria destacam-se os nazarenos, os tamares e as sardinhas doces.

Carapaus secos


Sardinhas doces




Tamares


Alojamento e Restauração no Marvão



A Quinta d'Abegoa dispõe de 6 quartos, com diferentes disposições e ambientes. Estes espaços que combinam, de forma equilibrada, a identidade original com a modernidade e o conforto.
Na casa grande 2 dos 4 quartos funcionam em regime de suite, com wc individual. A casa de piso térreo dispõe de 2 quartos, em regime de suite. Ambas incluem salas e cozinhas, completamente equipadas.
Para além do aluguer individual dos quartos, qualquer das casas pode ser alugada integralmente. O serviço de alojamento na Quinta d’ Abegoa inclui pequeno-almoço.

Endereço: Stº António das Areias 7330-201 Marvão
Reservas:  Tel: 96 424 53 70 - correio electrónico: quintadaabegoa@gmail.com

Restaurante "Varanda do Alentejo"
Com uma localização privilegiada, é uma varanda debruçada sobre a principal praça da vila de Marvão. Integrado na casa de hóspedes homónima, é um espaço tradicional onde, desde 1987, há petiscos alentejanos para abrir o apetite e verdadeiros pratos regionais para acalmar a fome.

Localização: Praça do Pelourinho 1 A - Marvão
Contactos: Tel./Fax: 245993272
Para saber mais, visite o site: www.varandadoalentejo.com

Alojamento e Restauração no Gerês


RESTAURANTE O VITOR

Morada: São João de Rei, Póvoa de Lanhoso
Telefone: 253 909 100




Situado perto do PNPG, este restaurante típico tem uma história muito interessante porque antes de ser o que é hoje já foi mercearia e taberna. Quem teve a ideia de o alterar teve o cuidado de manter o seu interior rústico e o gosto por uma boa refeição. O edifício de pedra, com os seus dois andares, confirma que a história deste espaço já é antiga e tem alguns – bons - segredos guardados na cozinha. A sua fama assenta em algo tão simples como um bacalhau assado com batatas a murro, bem regado com azeite. Por encomenda pode também saborear um fantástico cabrito no forno. Outras alternativas passam pela costeleta de vitela ou pelo bife de porco preto. Aproveite ainda para espreitar a garrafeira e levar consigo um bom vinho de para mais tarde recordar este restaurante recomenda-se a quem aprecie este tipo de gastronomia
Fonte: http://www.igogo.pt/restaurante-o-victor/